Lisboa ainda tem 31 edifícios com amianto

Por RM & Advogados - Assessoria de Imprensa ∙ 03 de agosto de 2016

amianto_DiárioOnze escolas da cidade têm placas de fibrocimento.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) ainda tem 31 edifícios com coberturas em fibrocimento incorporando amianto, uma substância mineral potencialmente cancerígena que, segundo as autoridades de saúde, matou 231 pessoas entre 2007 e 2012.

Segundo uma lista de 47 instalações com amianto enviada pelo vereador Manuel Salgado à Assembleia Municipal a pedido do PCP, à qual o CM teve acesso, a autarquia da capital só executou trabalhos de retirada daquela substância proibida em 12 equipamentos, oito dos quais em escolas básicas e os restantes numa garagem nos Olivais, no cemitério de Carnide, num armazém e nas instalações das brigadas de calceteiros.

Entre os 31 equipamentos que ainda têm amianto, destaque para 11 escolas básicas espalhadas pela cidade. Desse total de escolas , em seis já foram lançados os concursos, três estão ainda em projeto e duas aguardam programa preliminar da educação.

Também em estudo para retirada do amianto estão quatro cemitérios: Alto de São João, Prazeres, Ajuda e Benfica. Os trabalhos no cemitério do Lumiar já estão em concurso e, como se referiu, no de Carnide já foram executados. Todavia, ainda sem resolução à vista estão muitos outros equipamentos municipais, como, por exemplo, na própria Assembleia Municipal, na Imprensa Municipal, no Pavilhão Preto do Museu da Cidade, nos quartéis do Regimento de Sapadores Bombeiros e na Polícia Municipal. Em Portugal foi proibida a utilização e comercialização de amianto desde o dia 1 de janeiro de 2005.

 

Por José Rodrigues do Correio da Manhã – Portugal